SEÇÃO I – O AMANHÃ QUE NOS INSPIRA HOJE E SEMPRE


Eis o novo ano! São e serão 365 dias a nos mostrar que a caminhada não terminou. A nova realidade está aí, a nos acolher e dizer que o horizonte da vida necessita de nossas palavras e de nosso silêncio. São justamente esses momentos de novos ciclos que nos fazem entender que o tempo para ser feliz é curto, e cada momento que vai embora não volta mais. E nos mostram que a juventude não é um tempo de nossas vidas, mas um estado de nosso espírito. Talvez o novo ano nos leve a compreender, mais cedo ou mais tarde, que o tempo que perdemos fazendo coisas de que gostamos nunca é tempo perdido, especialmente quando nos colocamos por inteiro em cada pequena tarefa ou nos maiores gestos. É claro que o novo ano não será isento de situações tempestuosas. Mas haveremos de ver sempre o lado bom da chuva que cai. E a chuva, ao cair, poderá nos ajudar a ver que o amanhã não é sinônimo de nunca e que o ontem nem sempre significa nunca mais. Os passos dados em 2014 ficaram para trás. E não há perigo em olhar para trás. Foi belo aquilo que construímos. Mas 2015 nos impõe a ir adiante, a construir novos castelos e a erguer novas catedrais. Porque há apenas um tempo em que é fundamental despertar: e esse tempo é agora! E esse tempo de agora, que será o tempo do novo ano, é o tempo da razão e da sensibilidade. E é por isso mesmo que esse tempo pode e poderá ser medido com as batidas de um relógio, mas nós vamos fazer de tudo para que cada segundo do novo ano também seja medido com as batidas de nossos corações…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *